2 meses, 12 livros

11:00

   Já falei de alguns deles por aqui, mas de outros nem tanto. Este tem sido o ano em que me superei a mim e aos meus objetivos de leitura e bati o recorde: 32 livros lidos. Em Julho e Agosto foram 12 e, apesar de já ter falado de alguns deles, decidi trazer-vos os restantes para que possa partilhar a minha opinião acerca deles e dar-vos eventuais sugestões.


   A RAPARIGA QUE ROUBAVA LIVROS (ver review)
   Este é um dos livros que já abordei por aqui. O seu volume pode assustar alguns de vocês mas, acreditem, a obra vale toda a pena. O facto de ter uma narradora improvável, de a menina que nos surge em primeiro plano ser retratada de uma forma deliciosa e o ter a Segunda Guerra Mundial como pano de fundo são a combinação perfeita para um livro que brinca com o nosso coração.
   Esta é uma história onde a família, a amizade e os laços humanos prevalecem acima de qualquer imposição política e que nos mostra que é possível mantermo-nos fiéis aos nossos ideais, apesar das contradições que encontramos por todo o lado.
   Caso leiam o livro, recomendo-vos a verem o filme depois pois, apesar de terem sido cortados muitos pormenores que embelezam a narrativa, trata-se de um filme bastante fiel à história original e, confiem em mim, são duas horas maravilhosas.

   ELEANOR & PARK (ver review)
   Da autora, foi a primeira obra que li (e fiquei cheia de vontade de explorar mais). Trata-se de um romance entre dois jovens que, à primeira vista, nada tinham em comum e cuja relação tinha tudo para dar errado. Mas, contra todas as probabilidades, o facto de ambos estarem fora da popularidade e o procurarem ser invisíveis - mesmo não o conseguindo -, fez com que crescesse entre eles algo que nem eles próprios conseguiam descrever.
   É um livro fresco, com uma escrita para leituras compulsivas e com detalhes adoráveis sobre o amor adolescente. Apesar das contradições e de tudo o que os pode afastar - particularmente as visíveis diferenças entre eles -, isso não será suficiente para os manter afastados. (Ou será?)

   OS BEBÉS DE AUSCHWITZ 
   Quando falei deste livro nos Favoritos de Julho, referi-o como um murro no estômago. A verdade é que toda a crueldade de Auschwitz ainda me parece surreal. Aliás, nunca deixará de ser para mim impossível perceber o que aconteceu naquela época, independentemente da quantidade de livros que leia sobre o assunto.
   Neste livro são apresentadas três guerreiras que, contra todas as expectativas, conseguiram não só sobreviver ao Holocausto e aos campos de concentração, como também deram à luz três crianças que resistiram, sobreviveram e se tornaram orgulhosos pela coragem das suas mães.
   Os detalhes são verdadeiramente arrepiantes e o livro inclui informações precisas sobre todos os envolvidos. Sem dúvida uma leitura que recomendo a quem se interessa pelo tema.

   WILL & WILL
   Esta deve ter sido a quinta obra que li do autor e, digo-vos, ainda não foi desta que me fartei (e duvido que isso vá acontecer). De todos os romances que já li - e acreditem que não foram poucos -, este foi o primeiro romance homossexual e, ainda que haja alguns aspetos que ache ligeiramente estereotipados, não considero que isso retire carisma e personalidade à obra, pelo contrário.
   Há diversos ângulos pelos quais podemos encarar a história - e desenvolvê-los seria dar azo ao spoiler -, no entanto posso dizer-vos que é um livro que se lê de uma forma tão rápida que acabamos consumidos por tê-lo devorado dessa forma, mas é impossível interromper a leitura quando se trata deste autor.

   COMER, ORAR, AMAR
   Esta obra é baseada numa viagem de um ano em que a autora passa de um estado total de agitação a uma calma imperturbável. É uma viagem de autodescoberta com a qual nos identificamos em diversas passagens.
   A minha opinião em relação ao livro é bastante relutante porque imensas eram as vezes em que estava realmente a adorar, sorria e sentia-me triste juntamente com a autora, mas noutras vezes achava que aquilo não tinha nada a ver comigo.
   Se fizer uma comparação entre o livro e o filme... nem me permito fazê-lo porque me senti desiludida com o filme. Achei que a história perdeu a essência e que todos os detalhes se perderam na adaptação.

   PERSUASÃO
   Foi o primeiro livro que li da autora e, a início, foi um misto de sensações. Senti-me entusiasmada por estar a ler algo de Jane Austen mas, por outro lado, senti alguma dificuldade em me sintonizar com a escrita dela. Confesso que acho que só comecei a desfrutar verdadeiramente do livro quando estava prestes a terminá-lo (pelo que gostaria imenso de o rever brevemente).
   Comecei por me confundir com a quantidade de personagens com que a autora nos presenteia mas, assim que apanhei o fio à meada, tudo correu sobre rodas. Persuasão é uma leitura rica com uma protagonista maravilhosa: miss Anne Elliot é soberba e o romance existente entre as duas personagens é daqueles considerados à moda antiga e faz palpitar o coração. Deixou-me cheia de vontade de ler mais da autora.


   A METAMORFOSE (ver review)
   Foi o primeiro livro que li do autor, mas achei a escrita de Kafka simples e fenomenal simultaneamente. Apesar de bastante surreal - I mean, qual a probabilidade de nos transformarmos em algo completamente diferente, assim, do dia para a noite? - é uma obra que nos permite refletir bastante no impacto que a nossa vida (e as mudanças que nela operam) tem na das pessoas que nos rodeiam e que se preocupam connosco, pelo menos foi essa a moral que retirei da história.
   Breve mas capaz de proporcionar uma reflexão complexa.

   ESCRITO NA ÁGUA (ver review)
   Escrito de forma semelhante ao A Rapariga no Comboio, é demonstrada nesta obra a mesma genialidade a que nos habituou a autora. As personagens estão bem desenvolvidas e são-nos apresentadas de forma rica e profunda, obrigando-nos a devorar o livro rapidamente porque os detalhes surgem à velocidade da luz.
   Aqui a trama envolve um rio misterioso e as mortes que nele têm ocorrido ao longo dos anos. Considerei-o mais previsível que o que li anteriormente da autora, mas o final deixou-me verdadeiramente surpreendida.

   UM VIOLINO NA NOITE 
   Um romance viciante onde a autora de Viver Depois de Ti - único livro que tinha lido, até então, de Jojo Moyes - mostra uma maturidade que me cativou. 
   As personagens são bem construídas e carismáticas, despertando emoções fortes e obrigado-nos a ler mais e mais. Achei o final ligeiramente apressado, pois, na minha opinião, senti uma rispidez exagerada em terminar a história, o me deixou triste por ter acabado e um pouco desiludida por não ter havido um melhor trabalho no desenlace. Ainda assim - como verão adiante -, houve outro livro da autora que me deixou mais desiludida.

   VERONIKA DECIDE MORRER
   Uma obra que gira em volta da morte mas que nos ensina tanto sobre a vida. 
   É uma leitura breve - pois o livro é pequeno -, mas que requer tempo para que possamos interiorizar as pequenas lições do livro. Talvez a início me sentisse um pouco desiludida com a obra, dado que tinha grandes expectativas em relação a ela, mas rapidamente percebi que era nos pormenores que se encontrava a sua beleza.
   Veronika, cansada de uma vida sem altos nem baixos, decide suicidar-se, mas não foi bem sucedida. Ao saber que lhe restavam poucos dias de vida, teve a oportunidade de encarar toda a sua existência com uma perspetiva mais aberta, mais madura e mais consciente de tudo o que a rodeava.

   A RAPARIGA DE AUSCHWITZ
   Já li diversos livros sobre o Holocausto - como puderam comprovar acima -, mas este será, certamente, um dos que mais me cativou, por diversas razões.
   A forma como a autora descreve os acontecimentos - vividos por uma adolescente que lutou pela sua sobrevivência num dos períodos mais tristes da história da humanidade - tem algo que nos envolve na narrativa e nos faz compreender o que foi aquele período.

   A ÚLTIMA CARTA DE AMOR
   Este livro foi-me oferecido por uma menina da blogosfera numa troca de livros que ela própria organizou para celebrar o Dia Mundial do Livro, pelo que estava entusiasmada e expectante em relação à obra. 
   Ainda assim, ao contrário dos outros livros que já li da autora (Viver Depois de Ti e Um Violino na Noite), este desiludiu-me bastante. Não achei a história envolvente e achei algumas partes até confusas em relação à organização cronológica dos eventos. Considerei as personagens um pouco pobres e perdi realmente o interesse na obra. Não considero que seja um mau livro, honestamente, mas não consegui adorá-lo. Ainda assim, teve alguns pontos altos que acabaram por me surpreender. 

   Entretanto, depois de terminar estas leituras, já tive oportunidade de ler o Tornar-se Pessoa, de Carl Rogers. Talvez o livro que me lembro de demorar mais tempo a ler. Alguns capítulos pareceram-me um pouco desatualizados - tenhamos em conta que os textos do livro têm anos - e, por isso, li-os de uma forma mais diagonal; mas, por outro lado, a maioria dos capítulos são atuais e vão ao encontro da minha perspectiva e dos meus receios para o estágio que se avizinha. Claro que estes foram lidos com a máxima atenção e relidos para poder reter a maior quantidade de informação possível.

   Neste momento iniciei-me no mundo fantástico de Harry Potter. É verdade, tenho 22 anos e nunca li a saga que acompanhou a infância da minha geração. Foi uma grande falha da minha parte, sem dúvida, mas sinto-me competente para a colmatar neste momento e encontro-me a finalizar a primeira obra e estou, evidentemente, deliciada. Mal posso esperar para poder ler os restantes livros!

   Queria deixar-vos ainda algumas palavras breves acerca deste post e uma contextualização. Apesar de os posts sobre livros estarem longe de ser os mais procurados por aqui - pelo menos é a ideia que me chega através das estatísticas -, não consigo nem quero deixar de os trazer até vocês. Acho que os livros são uma parte demasiado importante da minha vida para os manter afastados do meu cantinho online. 
   Além disso, gostaria de deixar um beijinho especial a uma amiga de um colega de curso que recentemente me deu uma grande alegria ao dizer-lhe que adora este tipo de posts e que dá valor às minhas recomendações literárias. Não sei se estarás a ler este post mas, se estiveres, gostaria que entrasses em contacto comigo :)

   Quanto a vocês, qual o último livro que leram?

• • •

Podes acompanhar-me também aqui:

You Might Also Like

7 comentários

  1. Eu adoro ler! Fiquei curiosa com " a rapariga que roubava livros"! :)
    Obrigada pelas sugestões, Dalila! :D

    amarcadamarta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Destes só li o Escrito na Água e o Comer, Orar e Amar. Fiquei super curiosa com a rapariga de Auschwitz e com o Eleanor & Park!

    THE PINK ELEPHANT SHOE // Giveaway: Ganha 80€ em Maquilhagem!

    ResponderEliminar
  3. Quero imenso ler o Eleano&Park e o Escrito na Água!

    Beijinhos
    THAT GIRL | FACEBOOK PAGE | INSTAGRAM | TWITTER

    ResponderEliminar
  4. Dos livros que referiste, tenho bastante curiosidade em ler "Eleanor & Park", "Os Bebés de Auschwitz" e "Comer, Orar, Amar". 😊
    Beijinho.

    http://nepheshing.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. Fantástico teres lido esse número de livros em dois meses. Também quero! Acho que estou no bom caminho. Tenho que ler A Rapariga que Roubava Livros :)

    ResponderEliminar
  6. Também li "Escrito Na Água este mês e adorei! Beijinhos
    http://bublidu.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Eu konfesso ke gosto mto de ler mas leio pouko...
    Ler faz bem além de nos transportar para um novo mundo, faz bem a mente e exercita o cerebro...
    Gosteiii do post...

    ResponderEliminar

Muito obrigado pela tua visita e comentário. Clica em "Notificar-me" para saberes a minha resposta.
Assim que possa irei ao teu blog retribuir o carinho. ♥