FEV#28COISAS | ACMA || Gratidão

11:00

   Vocês já devem ter estranhado e notado a falta do post mais habitual aqui do estaminé. Todos os meses há ACMA e este não é excepção. Como se trata de Fevereiro, um mês muito relacionado com o amor, decidimos que desta vez iríamos falar de sentimentos. Nada de clichés, não fujam já. Há tanto a abordar através deste tema que o difícil foi escolher. Decidi falar-vos de gratidão, porquê? Já explico.


   Desde pequenina que sempre me habituei a agradecer. É um gesto muito simples mas que gosta imenso de nós. Com o passar dos anos, a minha perspetiva em relação aos agradecimentos não mudou mudou e, além disso, comecei a agradecer sem os "obrigado".

   Gratidão: característica ou particularidade de quem é grato; ação de reconhecer ou prestar reconhecimento por uma ação; agradecimento.

   Sinto-me grata e agradeço todas as manhãs por acordar quentinha, numa cama confortável e num quarto que, apesar de não refletir 100% a minha personalidade, é melhor que o de imensa gente por esse mundo fora. Sinto-me grata por, apesar de me custar tanto acordar cedo, ter um motivo para o fazer, por ter aulas e por frequentar um curso que foi escolhido por mim. Agradeço por toda a qualidade de vida que me é proporcionada. Sinto-me tão feliz por coisas mínimas como o facto de, quando chego tarde a casa numa noite fria depois de um dia cheio de aulas, ter uma botija de água quente na cama. Haverá coisa mais bonita que isso?
   Mas a gratidão não fica por aí. Tenho a minha família comigo, tenho amigos e amigas com os quais contar e com os quais posso partilhar sorrisos genuínos e, claro, tenho o Ricardo que é o meu presente favorito.
   Mas não é só. Há tanto na vida que nos faz sentir gratos e são as coisas mais pequeninas as que mais devemos agradecer. Sol quentinho em dias de inverno, a flor das árvores na primavera, a serra cheia de neve vista da Covilhã, o cair das folhas no Outono, um chá quente quando regresso a casa, uma noite de tempestade passada à lareira, ver um filme numa tarde fria ou um ler um livro antes de dormir. São coisas que têm tanto valor mas que são menosprezadas bastas vezes e eu não percebo porquê.
   No fundo acho que são estas pequenas coisas que me deixam sempre tão feliz e otimista. Provavelmente não sabem, mas a minha boa disposição chega a irritar. Eu penso para comigo "porque estás sempre a rir", "não tem assim tanta piada, Dalila!", "não tarda choras de tanto rir" e entre outras. Isto porque levo ao extremo a apreciação das coisas boas. Se uma piada tem piada, então eu vou rir até chorar e pouco me importa se estou ou não maquilhada. E, se estou triste e a vida me corre às avessas, não há nada como pensar no que está mal e fazer o meu maior esforço para encontrar algo positivo. Depois resta-me ficar grata comigo mesma por ter conseguido raciocinar dessa forma, por conseguir ver o lado positivo em algo tão negativo e retirar alguma lição que, retroativamente, me deixe igualmente grata.

   A gratidão é uma bola de neve. Se me sinto grata por alguma coisa boa que me aconteceu, depois vou sentir-me grata por conseguir retirar satisfação desse acontecimento. É redundante, eu sei, mas é assim que funciona o meu raciocínio. É desta forma que vivo o presente sempre com alegria genuína e com vontade de incrementar nos outros esta visão, e é assim que encaro o amanhã com otimismo e boas vibrações. Na minha opinião, é assim que a vida deve ser vivida: com alegria e gratidão. Claro que vão sempre existir barreiras que nos separam dos nossos objetivos e que nos fazem querer desistir ao primeiro obstáculo, eu própria não sou imune a isso, mas não há nada que uma boa noite de sono não cure e, ao acordar, rapidamente vejo algo por me sentir grata.
   É assim que encaro a vida e, acreditem, não há gratidão que descreva a forma como me sinto em relação a isso.

   Se quiserem fazer parte do ACMA, já sabem, basta enviarem um e-mail para corsemfim@gmail.com. Deixo-vos com os restantes blogs do projeto:
   E com os blogs convidados deste mês: (links em breve)






• • •
Podes acompanhar-me também aqui:

You Might Also Like

6 comentários

  1. Para ser sincera, considero-me uma pessoa super grata, mas também vejo que o conceito se perde muito às vezes. Mas que é uma sensação maravilhosa, é!
    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderEliminar
  2. Eu considero-me grata e a palavra "gratidão" para mim é dos melhores conceitos apesar de muitas vezes se perder pelo meio!

    Beijinhos
    That Girl

    ResponderEliminar
  3. Adorava ter o otimismo todo que tu tens! Sinto que, apesar de ser grata por tudo aquilo que sou, que me rodeia, não consigo fazer disso um foco e essas coisas pelas quais sinto gratidão acabam por ser assoladas por sombras que as escondem!
    Gostei muito de ler, achei muito bonito mesmo (:
    Beijinhos!
    wallflowerbyines.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Concordo com as tuas palavras, acho que devemos ser gratas todos os dias, mesmo naqueles dias mais cinzentos temos sempre coisas boas a agradecer! Beijinhos*

    ResponderEliminar
  5. Gostei imenso do texto, e senti-me grata por ainda existirem pessoas que sabem, realmente, valorizar o que têm. Aproveito para seguir. Beijinho :)

    ResponderEliminar
  6. Que post tão bom <3333 Acho que gratidão é um sentimento fantástico, principalmente nos dias de hoje, em que a sociedade é maioritariamente materialista e ingrata. Gostei especialmente da atenção que dás aos detalhes, desde o chá quente à neve; acho que foi a parte mais bonita do texto.

    Um beijinho,
    Bia do Bookaholic.

    ResponderEliminar

Muito obrigado pela tua visita e comentário. Clica em "Notificar-me" para saberes a minha resposta.
Assim que possa irei ao teu blog retribuir o carinho. ♥